Qualé a desse tal de… Sonic Mania?

  31/08/2017 - 20:12   ANÁLISE, SEGA, Sonic,  
 

Cada vez que eu abro Sonic Mania, eu fico frustrado. Não por causa do jogo em si, mas porque a sua excelente animação de abertura (a qual eu assisti inúmeras vezes esperando o jogo sair pra PC) não toca após a apresentação dos logotipos iniciais. Ao invés disso, você tem o logotipo da SEGA, a dos desenvolvedores dos jogos, e aí a tela título, com o emblema aparecendo primeiro e o Sonic fazendo aquela mãozinha de “não, não” enquanto toca a música tema. Cada uma dessas telas some em uma transição pra um tom escuro de azul, fazendo referência a como passavam as telas de apresentação de Sonic 1.

Toda vez que eu abro Sonic Mania eu quero ver de novo a animação de abertura, algo que eu não costumo fazer nunca, com nenhum jogo; então eu tenho que esperar a tela título vir, acontecer e sumir pra ver a abertura. A era do Saturn e PlayStation nos ensinou que após os logotipos das desenvolvedoras, a gente tem uma animaçãozinha ou CG serelepe e só depois de apertar Start freneticamente para passá-la é que temos a tela título do jogo. Por que Sonic Mania parecia ignorar uma convenção tão popular?

“Ah”, percebi em um insight segundos antes de dar Alt+Tab pra começar esse texto. “É porque Sonic CD era assim.”

Tudo na abertura de Sonic Mania – da animação, da música, da transição das telas, da tela título em si, do estilo gráfico – é propositalmente feito para te lembrar dos jogos originais e trazer uma sensação de nostalgia. A nostalgia, em si, é seletiva, e só relembra os melhores momentos de um longo prazo de tempo em favor dos sentimentos e sensações mais agradáveis, que fazem tudo parecer melhor do que realmente era. Sonic Mania, essencialmente, é isso: uma recriação melhorada da sua infância.

É exatamente como tudo que você lembra, só que melhorado, pois quando há nostalgia sempre lembramos das coisas de forma melhor do que elas eram. Então os gráficos, as fases, os poderes, as habilidades, os desafios, são como você os lembra; só que eles são melhores do que tudo que você conhecia.

Quando Sonic move de uma barra pra outra em Flying Battery Zone (spoiler!) ele tem muito mais sprites de animação do que nos originais, mas você não saberia isso se você não joga os originais há vinte anos. Quando você pega um power-up ele é explicitamente pensado em por que estar ali; quando você encontra um segredo, sempre há uma pista ou dica que vai fazer você acreditar que foi mais esperto do que realmente foi; quando você ESTIVER INDO RÁPIDO, você vai ir rápido por um tempão e acumular centenas de anéis ao invés de esbarrar em algum inimigo do nada quebrando o momentum e fazendo você xingar seu televisor de tela plana. Sonic Mania reconhece as qualidades e defeitos dos seus jogos originais para entregar algo que era melhor do que tudo que você tinha jogado antes: que é precisamente como você lembraria deles.

Talvez por isso, em alguns momentos, Sonic Mania não pareça tanto assim um jogo “novo”. Muito do que o compôe vem de jogos anteriores, incluindo um número maior de fases do que eu gostaria, mas é uma decisão que faz sentido: como exatamente você exerceria nostalgia nos jogadores se fosse tudo novo e diferente, ao invés de familiar e reconhecível?

“Que tal se a gente tivesse o Ato 1 bem parecido com o que eles conhecem e aí no Ato 2 a gente extrapolasse e jogasse um monte de ideias novas, renovando o design sem necessariamente fazer algo diferente?”, algum dos desenvolvedores deve ter dito.

Problema resolvido. Você reutiliza assets, mantém a familiaridade, explora conceitos novos e foca em melhorar o design ao invés de ter que reinventar a roda a cada instante. Aí cada fase pode ter duas músicas diferentes, cada ato pode ter um chefe diferente, cada chefe pode ser derrotado de forma BEM MAIS RÁPIDA e menos maçante que nos jogos originais, e eles podem explorar o máximo de ideias loucas e conclusões e detalhes interessantes sem adicionar um ano a mais de desenvolvimento. Ponto pra eles!

Sonic Mania é, em um sentido, um pot-pourri de toda a quintologia original, eliminando os excessos e ideias chatas em favor de um jogo mais fluido e dinâmico. É como, sei lá, pensa em um exemplo das antigas, tipo Chrono Trigger ou The World Ends With You; é como se os caras pensassem “e se a gente pegasse tudo que tem de melhor nesse gênero de jogo e tirasse tudo que é um porre e fizesse um jogo só nisso?” Não é exatamente um jogo muito novo. Não tinha pra que ser. É um jogo focado exatamente em reviver a sua nostalgia com uma parada que é mais agradável e mais gostosa e melhor de controlar do que as suas verdadeiras inspirações.

Eu costumo ser cético sobre se jogos novos vão ser bons ou não, principalmente quando se tratava de Sonic, já que a gente já conhecia o Sonic Cycle há tempo demais. No momento que o jogo foi anunciado, porém, eu não tinha dúvidas de que seria bom; porque o Taxman e o Stealth eram essencialmente as melhores pessoas que poderiam estar no comando desse projeto, e a Sega fez questão de deixar claro o envolvimento deles desde o princípio. É a companhia ter a sabedoria (tardia) de literalmente para e pensar “Quer saber? Esses filhas da mãe sabem mais sobre a nossa parada do que a gente sabe – em parte porque hoje em dia a gente só tem a licença da propriedade intelectual, e a maior parte da galera que desenhou os originais há vinte e tantos anos atrás nem faz mais parte do que a gente chama de Sonic Team. O level designer de Sonic 2 fez o design do primeiro Uncharted, desgraça! Deixa esses caras fazerem o jogo! Se tem alguém que vai saber o que fazer são eles!”

(Cara, eu realmente extrapolei o limite de citações falsas nessa análise, não foi?)

Em parte, é por isso que eu já sabia que o troço ia ser bom. Porque era de um time composto por apaixonados fervorosos pelo material original. Porque um dos caras fez uma engine do zero simulando todas as físicas dos originais através de engenharia reversa. Porque o outro fez Sonic Megamix (procura no Google), o único ROM hack que poderia passar por jogo oficial que eu já vi na vida. Porque esses caras gostam tanto dos jogos 2D de Sonic que vão botar duas fases de Sonic CD e um bônus onde você corre atrás de um OVNI, mesmo você e o mundo inteiro não dando a mínima pra Sonic CD. Você pode não dar a mínima, mas eles dão. Esses caras amam essa parada.

Sonic Mania é uma anomalia; uma anomalia que agora eu espero que se torne regra, pois é o primeiro jogo em mais de 20 anos da série que simplesmente faz sentido. Sua existência faz sentido, o level design faz sentido, tudo nele faz sentido. E ele é, finalmente, um jogo inclusivo: que não é só para os fãs inveterados que destruíram o “Seu nome + The Hedgehog” no Google Search, não é só para as crianças que gostam do personagens, não é para os trintões nostálgicos. Sonic Mania é um jogo pra todo mundo: como todo bom jogo deve ser.

Rod

Sobre

Rodrigo "Rod" é de Salvador, Bahia. Estuda psicologia, finge ser escritor, e acha que entende alguma coisa sobre game design.
  • eu não sabia que além de review de jogos, filmes, quadrinho e salgadinho, o gamesfoda fazia reviews de sonhos, também. muito bom o texto, rod!

  • Fico muito feliz em ver um novo review seu aqui, Rod!
    E você definiu bem o que o Sonic Mania faz tão bem: é um jogo onde todos os envolvidos são apaixonados pelo material original (você SENTE a paixão deles e o quão motivados estavam em fazer cada coisinha que compõem o jogo). Anos fazendo tributos e enfim a Sega deixou os garotos brincarem com seus bonecos.
    Eu creio ser uma figura meio estranha no meio desse fãs de Sonic: eu cheguei a acompanhar bem pouco dos jogos 2D e fui conhecer melhor o ouriço azul no boom dos Adventures e jogos 3D em geral. Eventualmente fui jogando os 2D em retrospecto e me divertindo também.
    Aqui no Mania eu fico alucinando vendo o Sonic atravessando os cenários, vendo como cada pecinha foi pensada meticulosamente para estar ali e como as fases são grandes, até! É uma empolgação que me remete ao meu tempo de infância que eu simplesmente não procurava os porquês e simplesmente ia aproveitando a viagem.

    Enfim, seu último parágrafo fechou com chave de ouro: É um jogo que todos podem se divertir, independente do gosto ou da afinidade com a franquia do Sonic. Em meio a tantos jogos que miram na nostalgia de maneira bem placebo, esse é um jogo que sabe muito bem em como causar esse sentimento.

  • farias

    Como Nintendista é a primeira vez que eu sinto inveja dos fãs do Sonic.

    • Mr. X

      Dá pra perceber o que ele disse no AM2R, acho que vai faltar disso no Samus Returns…

      • Edalmir Biscaia Das Neto

        Sera? O Shigeru Miyamoto sempre fala que o pessoal da Nintendo é fan da empresa desde sempre?

        • Mr. X

          deu pra perceber depois de jogar o jogo que a nintendo ficou bem satisfeita com o trabalho da Mercury Steam, os caras capricharam na ambientação e a gameplay (que se torna um pouco repetitiva da metade pro final) se trata de uma das melhores de todos os jogos da franquia em 2d.

  • Excelente texto cara =)

  • Welben ribeiro da silva

    Gostei do texto, mas o exemplo de Chrono Trigger foi terrível. CT é perfeito. Não tem nada nele que precise ser melhorado.

  • Victor Hugo

    quando você ESTIVER INDO RÁPIDO, você vai ir rápido por um tempão e acumular centenas de anéis ao invés de esbarrar em algum inimigo do nada quebrando o momentum e fazendo você xingar seu televisor de tela plana

    100% eu

Visit the best review site wbetting.co.uk for William Hill site.